Sonho com tantas coisas simples e diversas vezes já me refugiei da realidade nesses "lugares" criados pela vontade e pela imaginação. É lá que apenas o Bom e o Belo existem e a miséria, o desrespeito, a ignorância, o preconceito e a maldade deixam de ter vez.
Levo também pra esse mundo as músicas, porque acredito que elas são uma forma de ligação com O Mundo Superior, seja ele como quer que você o imagine. Ah, as músicas das quais falo são as que tocam a alma, as que já existiam antes que alguém as "percebesse" e as tocasse; você reconhece essas músicas? elas te falam ao espírito e ao coração? se sim, então somos iguais; se não, bem, o mundo é feito de diferenças!!

domingo, 30 de setembro de 2012

Andrew Lloyd Weber - O Maestro!

       Quem nunca ouviu uma das composições desse Maestro? Talvez alguém não ligue o nome à pessoa, mas esse homem é nada menos que o compositor de "Memory"(Cats), "Don't Cry for Me, Argentina" (Evita), "I Don't Know How to Love Him" (Jesus Christ Superstar), The Music of The Night" (The Phantom of The Opera) e várias outras composições tão belas quanto as anteriores.
        Compositor e produtor musical, além disso ainda é considerado, por muitos, o maior nome da composição teatral do fim do século XX. Produziu quinze musicais, dois filmes e já acumulou vários prêmios e honras. Os dois musicais que ficaram mais tempo em cartaz, tanto na Broadway quanto no New London Theatre, são The Phantom e Cats, musicais que já foram vistos por mais de 50 milhões de pessoas, cada um! 

        Sempre adorei as músicas que foram citadas lá no primeiro parágrafo, mas foi só ao assistir The Phantom of The Opera (2004) que despertei e procurei conhecer mais o trabalho desse gênio da música. Realmente acredito que ele é um gênio, as melodias de suas composições são belíssimas, são melodias que emocionam, que transcendem o tempo, tocam a alma e, no meu caso, é como se fizessem "lembrar" de algo não vivido.
     É impossível não se emocionar e encantar com essas obras, assim como é impossível que elas não tenham sido criadas por alguém extremamente sensível e apaixonado. Sir Andrew Lloyd, tímido por natureza (parece que todos os grandes compositores são tímidos!), não segue modismos musicais, suas composições têm hoje a mesma qualidade que tinham no início de sua carreira, fins da década de 1960.
         Seu primeiro grande sucesso Jesus Christ Superstar, estreou na Broadway em 1971, tendo sido logo depois, em 1973, adaptado para o cinema (pra mim, a melhor entre as duas filmagens),  ganhou uma refilmagem em 2001, e já se fala em uma segunda refilmagem para 2014. Uma das mais belas músicas é "I Don't Know How to Love Him", que Maria Madalena canta pra Jesus enquanto ele dorme.

video

        Em 1978 Evita estreou na Broadway e em 1996 foi transformado em filme, tendo Madonna (Evita) e Antonio Banderas (Che Guevara) como atores principais. A cena em que Evita canta "Rainbow High" lembra muito a cena de Judas em Jesus Christ Superstar de 1973, quando ele tenta justificar a si mesmo a traição a Cristo. "Another Suitcase In Another Hall",  essa é pra mim uma das mais belas canções desse musical e nitidamente  tem a assinatura de Andrew Llowd.

video

        Cats estreou na Broadway em 1981, não foi transformado em filme, mas nem por isso deixa de ser um dos mais belos espetáculos já produzidos. Andrew Lloyd teve a ideia de fazê-lo após ler uma série de poemas de T. S. Eliot sobre gatos - Old Possum's Book of Practical Cats (1939) - que é composto por 15 poemas cada um contando a história ou característica de um determinado gato. Eliot os escreveu ao longo da década de 1920. Na década de 1970, 10 anos após a morte do autor, Andrew Lloyd musicou alguns dos poemas e fez uma versão reduzida de Cats. A viúva de Eliot após assistir a prévia, presenteou o então jovem autor musical com o rascunho de um poema inacabado do marido. Esse poema era a história de Grizabella e foi determinante para a finalização do musical, foi por causa desse poema que foi composta "Memory", gravada por mais de 170 artistas.

video

         Em 1986, foi então produzido e estreou na Broadway "The Phantom of The Opera", baseado no romance de Gaston Leroux, porém independentemente do Maestro, foram produzidos quatro filmes baseados no mesmo romance, em 1925, 1943, 1962 e 1989, apenas a versão de 2004 foi feita com as músicas e sob a supervisão de Andrew Lloyd. Quando o Sir decidiu refilmar The Phantom ele escolheu Joel Schumacher para dirigir o filme, Joel por sua vez escolheu o elenco, ele queria atores jovens, pois assim o romance fluiria mais facilmente, a escolha para o papel de Christine requeria inocência, já para o papel de Erik ele escolheu Gerard Butler e disse ter sido esse o teste mais difícil já que o ator estava muito nervoso, afinal, usando as palavras do próprio Gerry: "Vou cantar Music of The Night para o compositor de uma das músicas mais famosas de todos os tempos! Minhas pernas começaram a tremer." (sei que já citei essa frase em outro post, mas adoro essa humildade!).

video

        Esse é um dos grandes homens que nos encantam. O Maestro conseguiu e consegue mostrar o que a música tem de mais belo, puro e sutil, este é o poder da música, ela iguala emocionalmente as pessoas, ela embriaga e ele conseguiu colocar na partitura essa magia que apenas a verdadeira arte é capaz de produzir. Independentemente do país, da época ou dos costumes, essas músicas serão ouvidas e reconhecidas entre o que há de melhor e mais sublime.
         Gloria e Cassinha, muito obrigada queridas pelos comentários sempre carinhosos!
         Beijos e uma maravilhosa semana a todos!!!
        

       

5 comentários:

  1. Suspiros, suspiros... Ai, Nadja! Tu sempre fazes isso comigo...rsrs Como consegues? As músicas do A.L.Weber... Como disseste, ele consegue nos levar a um mundo mágico. Sensível ao extremo e um compositor talentosíssimo como poucos na atualidade, continua nos encantando com suas obras. Claro que fiquei toda arrepiada ao ouvir a Maria Madalena cantando em Jesus Cristo Superstar. Eu tenho o long play com a trilha sonora do filme, que não pude deixar de adquirir depois que vi o filme... no cinema(põe tempo nisso...nossa!). Na época, me apaixonei pelo ator que fazia Jesus. Qual adolescente não se apaixonaria?
    Evita e Cats, dois clássicos. Evita agora está sendo atuada em Nova York, tendo no papel que foi do Banderas no cinema, o Rick Martin. Imagina! Deve ser fantástico! E o Phantom... Preciso comentar? Que saudade daquele Gerry cantando aquelas músicas maravilhosas.
    Ai, amiga! Acho que já disse como o teu blog me deixa emotiva e saudosa de bons tempos idos, que aqui posso recordar contigo.
    Muito obrigada por deixar minha alma mais leve e feliz.
    Mil beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rô!!!
      Oh amiga, não imaginas o quanto fico envaidecida com teu carinho e comentários.
      Pra mim Andrew Lloyd é mais um daqueles missionários enviados pra embelezar nosso mundo, suas composições são tão sentimentais, fazem tanto bem. Acredito mesmo que ele é inspiração pura!
      Beijos amiga!!!

      Excluir
  2. Estou arrepiada Nadja, começei a ler o post e sempre deixo as músicas tocarem e começou a tocar Music of The Night na voz do nosso Gerry, será um sinal associado ao seu post anterior sobre os sonhos? Bom tudo que tem Gerard Butler é de qualidade, de prestigio e orgulho assim como Andrew que também tomei conheçimento do seu trabalho perante O Fantasma Da Opera e me encantei tenho todas as músicas que citou sem saber que é de autoria dele. Só tenho a inclui-lo nos meus favoritos e graças ao seu post que revelou esse talento exorbitante.

    Super beijos querida!

    ResponderExcluir
  3. Nadja, que músicas maravilhosas. Concordo contigo sobre Andrew lloyd, ele é mesmo um gênio, conseguir compor essas músicas tão perfeitas, tão emocionantes. Sonho um dia assistir Cats, acho que é lindo!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Realmente vc o descreveu bem , amiga, esse maestro é um gênio da música! Suas composições são belíssimas, ricas, harmoniosas! Vc descreve uma composição e eu penso: nossa, é maravilhosa. Em seguida, vc menciona outra e, novamente, expresso: que primor! E assim por diante, pois realmente ele tem um dom lindo e o manifesta de forma esplendorosa, o que é uma alegria para nós!
    Eu nem me atrevo a dizer que uma é mais linda do que a outra, pois todas possuem o mesmo tom que nos envolve e emociona muito. Não imagino a vida sem música, para mim não dá! Vivo cantarolando algum verso, seja em voz alta ou em meus pensamentos.
    É como vc mencionou: independente da época, a boa música sempre será reconhecida, ela se eterniza no tempo.
    Há duas frases sobre música que gosto muito:
    - “A música é celeste, de natureza divina e de tal beleza que encanta a alma e a eleva acima da sua condição” - Aristóteles
    - “A música é a linguagem dos espíritos” - Khalil Gibran
    É isso, amiga, a música é presente de Deus a todos aqueles que mantêm a sensibilidade dentro de si. Amo a música!
    Beijinhos

    ResponderExcluir

GOSTOU DO QUE LEU? ENTÃO COMENTE.